Aviação agrícola brasileira cresce entre gafanhotos, drones e combate a incêndios

//Aviação agrícola brasileira cresce entre gafanhotos, drones e combate a incêndios
O Rio Grande do Sul tem o maior número de empresas de aviação agrícola do País, com 72 empresas e 42 operadores privados (produtores rurais ou cooperativas que têm seus próprios aviões). O Estado também conta com a segunda maior frota nacional, de 426 aeronaves, atrás apenas do Mato Grosso, com 494 aviões, destacou o Jornal do Comercio neste domingo (23). Neste ano, o setor ganhou ainda mais visibilidade com a ameaça de invasão de milhares de gafanhotos vindos da Argentina e do Paraguai. O Sindicado Nacional das Empresas de Aviação Agrícola (Sindag) esteve de prontidão, por cerca de dois meses, caso a nuvem de insetos ingressasse em solo brasileiro – o que ainda não é um risco descartado, ressalta o presidente do sindicato, Thiago Magalhães. Atualmente, o Sindag é um dos principais envolvidos no debate que o Brasil está fazendo, em consulta pública, sobre novas regras para o uso de drones e o uso desses equipamentos para pulverização agrícola. E, ao contrário do que podem muitos pensar, o Sindag vê nessa tecnologia uma aliada, e não uma concorrente. Tanto que, desde 2016, o sindicato conta com empresas de drones entre suas afiliadas. De acordo com Thiago “a aviação agrícola no Rio Grande do Sul é um setor muito importante para o agronegócio gaúcho, principalmente quando falamos em arroz irrigado, onde fica complicado, e até inviável em muitos casos, a pulverização por tratores, em razão do terreno”. Sobre a questão dos gafanhotos, Thiago destaca que “isso trouxe uma imagem muito positiva. Sempre tentamos mostrar a importância da aviação agrícola a quem normalmente não tem noção de como funciona o agronegócio como um todo. Quando a pessoa pensa nos gafanhotos entrando em sua casa, ela se imagina correndo até a despensa e pegado o inseticida. Agora, percebe melhor para que serve a aviação agrícola e que, em situação de crise, pode ser fundamental para a segurança alimentar do País, pois os insetos podem devorar grandes lavouras e pomares de frutas. É como se fosse uma verdadeira guerra para a qual tínhamos uma arma para combater. Não é uma situação isolada: essas nuvens existem há tempo na Argentina e no Paraguai e devem se tornar mais frequentes”. Ainda de acordo com Thiago, “a questão dos gafanhotos ajuda na imagem, mas não vejo como ganho em termos de negócios. Tanto que ofertaríamos aeronaves para uso gratuito do Estado. Muitos empresários cederiam aeronaves e pilotos para a ação, até porque, se isso afeta a produção agrícola, todos perderíamos ali adiante. Acredito que a aviação agrícola tem de continuar fazendo um bom trabalho e desenvolvendo tecnologias, com atenção e treinamento constante. Nosso principal compromisso, como o plano que elaboramos para o Ministério da Agricultura, de combate ao gafanhoto, é o cuidado com o momento da aplicação, de que produto usar e como fazer para que não venha a prejudicar nenhum setor, nem o urbano, nem o agronegócio”. Confira aqui entrevista completa.

Aviação agrícola: SINDAG cria rede nacional para ampliar adoção da tecnologia e de boas práticas

A ideia, na prática, é desenvolver mais o setor, promover boas práticas e ampliar o conhecimento da sociedade sobre a atividade. Estão previstas campanhas de promoção, projetos de incentivo e formação de grupos de trabalho para solucionar desafios do mercado, segundo nota do Sindag, informou o Portal do Agronegócio nesta segunda-feira (24). A rede foi apresentada nesta manhã em uma videoconferência com representantes de 46 entidades ligadas ao setor primário em todo o País. Já integram a iniciativa o Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal (Sindiveg), a União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Única), Syngenta, a fabricante norte-americana de aviões agrícolas Air Tractor, assim como as universidades federais de São Carlos (Ufscar), do Estado de São Paulo, e de Cruz Alta (Unicruz), do Rio Grande do Sul. O mercado de aviação agrícola do Brasil é o segundo maior do mundo e único segmento da aviação brasileira que registrou crescimento nos últimos 24 meses, de acordo com o Sindag. “Queremos que mais produtores rurais percebam as vantagens do trato aéreo das lavouras, mas também entendam as obrigações legais da ferramenta e o quanto adotar boas práticas é vantajoso para todos. Além disso, agora que consolidamos boa parte das ações junto aos empresários de setor de aviação agrícola, queremos chegar nos operadores privados (produtores que utilizam próprios aviões)”, disse na nota o diretor executivo do sindicato, Gabriel Colle. Uma das pautas da rede será a instrução normativa para o uso de drones no trato de lavouras. O esboço da norma segue em consulta pública até setembro, conforme o Sindag, que vem promovendo encontros com entidades do agronegócio. O Sindag informou que desde 2016 vem promovendo iniciativas para qualificar os empresários do setor, envolvendo consultorias especializadas, parcerias com instituições acadêmicas, criação da Academia de Líderes do setor e encontros estaduais. Também buscou aproximação com entidades do agronegócio e órgãos reguladores. “Passamos a oferecer ferramentas como o Sistema de Documentação da Aviação Agrícola (Sisvag), pelo qual os operadores podem consultar documentos, registros e obrigações exigidas por órgãos reguladores em qualquer parte do País”, cita Colle no comunicado. Entre 2016 e 2020, o número de empresas afiliadas ao Sindag aumentou de 98 para 198.

Seguro Rural atinge a marca de 1 milhão de apólices contratadas com auxílio do governo federal

Nesta segunda-feira (24) o portal do Mapa divulgou que, desde o início do Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR), já foram contabilizadas 1 milhão de apólices contratadas. O PSR tem função estratégica no âmbito do governo federal, sendo um dos pilares da política agrícola brasileira. Desde 2005, quando o Programa iniciou, a subvenção econômica concedida vem auxiliando milhares de produtores a contratar o seguro, como forma de se precaver contra as perdas financeiras decorrentes de adversidades climáticas. Com isso, o PSR tem se consolidado como uma importante ferramenta de gestão de riscos agropecuários. Em 2006 foram atendidos 16,4 mil produtores rurais, já para 2020 a expectativa é de que 160 mil tenham acesso ao benefício, ou seja, quase dez vezes mais. Já a área segurada deve passar de 1,8 milhão de hectares para 15 milhões de hectares. Diante da expansão do Programa, em valores atualizados pelo IPCA, a importância segurada deve crescer de R$ 5,8 bilhões para R$ 43 bilhões. A concessão de subvenção cresceu consideravelmente no período, alcançando R$ 955 milhões em 2020, ante R$ 63,5 milhões em 2006, também em valores atualizados, o maior orçamento registrado até o momento. O PSR também fomenta o desenvolvimento do mercado de seguro rural no país, atraindo cada vez mais novas empresas, aumentando a concorrência e a melhoria dos produtos ofertados aos produtores. No início do programa, apenas quatro seguradoras atuavam no país e, desde o ano passado, 14 companhias estão habilitadas a operar no PSR. O produtor que tiver interesse em contratar o seguro rural deve procurar um corretor ou uma instituição financeira que comercialize apólice de seguro rural. O seguro rural é destinado aos produtores pessoa física ou jurídica, independente de acesso ao crédito rural. A subvenção econômica concedida pelo Ministério da Agricultura pode ser pleiteada por qualquer pessoa física ou jurídica que cultive ou produza espécies contempladas pelo Programa. Para os grãos em geral, o percentual de subvenção ao prêmio pode variar entre 20% e 40%, a depender da cultura e tipo de cobertura contratada. No caso das frutas, olerícolas, cana-de-açúcar e demais modalidades (florestas, pecuário e aquícola), o percentual de subvenção ao prêmio será fixo em 40%. Para produtores que estão contratando crédito de custeio nas instituições financeiras e são enquadrados no Pronaf, entre julho e outubro, há um projeto-piloto com recursos de R$ 50 milhões do PSR de estímulo a contratação do seguro agrícola de soja e milho verão (subvenção de 55% do prêmio) e para banana, maçã e uva (subvenção de 60% do prêmio). Para produtores das regiões Norte e Nordeste de grãos, o PSR destinará R$ 50 milhões exclusivos para essas regiões nos meses de setembro e outubro. Para mais informações sobre o PSR, faça o download do aplicativo. Basta acessar para Android e para IOS.

Frente Ambientalista e sociedade civil apresentam propostas de reforma tributária sustentável

De acordo com a Agência Câmara a Frente Parlamentar Ambientalista promove nesta terça-feira (25) a apresentação de nove propostas que o grupo nomeou de “Reforma Tributária Sustentável”. Na quarta-feira (26), a Frente debate, de forma virtual, o tema “Agrotóxicos e Reforma Tributária”. Segundo os organizadores, as propostas para uma reforma tributária sustentável visam responder a dois desafios que consideram cruciais para o desenvolvimento do Brasil: “por um lado, simplificar regras, reduzir a carga fiscal e eliminar subsídios perversos; por outro, favorecer o desenvolvimento de uma economia verde que coloque o país na vanguarda do paradigma de desenvolvimento do século XXI”. Foram convidados para a apresentação das propostas, na terça-feira: o coordenador do Instituto Democracia e Sustentabilidade em Brasília (IDS), André Lima; a gerente de projetos e produtos do Instituto Escolhas, Jaqueline Ferreira; a especialista sênior em políticas públicas do Observatório do Clima, Suely Araújo; e o coordenador do portfólio de Economia de Baixo Carbono do Instituto Clima e Sociedade, Gustavo Pinheiro. Na quarta-feira (26), o debate será moderado pelo coordenador da Frente Parlamentar Ambientalista, o deputado Rodrigo Agostinho (PSB-SP) e tem como convidados: o procurador da República, mestre em Antropologia Social, doutorando em História Indígena, Marco Antônio Delfino; a mestre e doutora em Geografia, Professora do Departamento de Geografia da USP, Larissa Bombardi; a advogada na organização Terra de Direitos, Doutoranda em Direitos Humanos, Naiara Bittencourt; a nutricionista, mestre em Ciências Gastronômicas, e vice-presidente do Instituto Brasil Orgânico, Bela Gil; a representante da Campanha Permanentemente contra os Agrotóxicos e pela Vida, Juliana Acosta; e o presidente da União Nacional das Organizações Cooperativistas Solidárias, Francisco Dal Chiavon. Tanto o lançamento da Reforma Tributária Sustentável, na terça-feira, quanto o debate “Agrotóxicos e Reforma Tributária”, na quarta-feira (26), serão realizados a partir das 10 horas, pelo Facebook da Frente Parlamentar e canal do Youtube da Frente Ambientalista.

NA IMPRENSA

Agência Câmara – Frente Ambientalista e sociedade civil apresentam propostas de reforma tributária sustentável

O Estado de S.Paulo – Com ajuda do dólar, Capal deve crescer 30% no ano 

O Estado de S.Paulo – ‘Broadcast’ lança novo aplicativo que se adapta a cada usuário

O Estado de S.Paulo – CNI vê biodiversidade como nova ‘revolução industrial’

G1 – Nuvem de gafanhotos mais próxima do Brasil está controlada, e frio dificulta avanço de outras 8 nuvens

G1 – Governo quer comprar microssatélite de R$ 145 milhões para monitorar a Amazônia

Governo Federal – Governo Federal entrega sistemas de dessalinização para áreas rurais no Rio Grande do Norte

Valor Econômico – Bunge acelera processo de reestruturação e vê melhora nos resultados

Valor Econômico – Com 100% da Fertilizantes Tocantins, EuroChem prevê forte avanço no país

Valor Econômico – Frio afeta plantações de trigo na região Sul

Valor Econômico – Reunião com embaixador da China tranquiliza cadeias produtivas de grãos e carnes

Valor Econômico – Commodities: Petróleo e câmbio pressionam açúcar em Nova York

Valor Econômico – Commodities: Milho sobe em Chicago com sinais de boa demanda chinesa

Valor Econômico – Nuvem de gafanhotos mais próxima do Brasil está controlada

Mapa – Oficina virtual promove intercâmbio de conhecimentos entre Brasil e Colômbia sobre pesquisa em agroecologia

Mapa – Famílias assentadas recebem 1.060 títulos definitivos no Rio Grande do Norte

Mapa – Missão de supervisão do Projeto Dom Helder Câmara é realizada de forma virtual

Mapa – Seguro Rural atinge a marca de 1 milhão de apólices contratadas com auxílio do governo federal

CNA – Senar ensina como calcular o lucro da propriedade rural

CNA – Senar oferta série de webinar sobre temas da agropecuária com direito a certificado

CNA – Mesmo com pandemia, Curso Técnico em Agronegócio habilita novos técnicos em Minas Gerais

CNA – Ex-aluna de sucesso: cafeicultora grava vídeo em inglês contando sua história e viraliza na internet

CNA – Sefaz atende pedido da Faes e prorroga Convênio ICMS 100

CNA – Curso do MIP do SENAR-PR passa a usar aplicativo na safra 2020/21

CNA – Boletim CNA aponta que MP 958 facilitará acesso ao crédito

CNA – Setor produtivo avalia seguro para soja e milho do Centro-Oeste, Norte e Nordeste

CNA – CNA debate Programa de Crédito Fundiário Terra Brasil

Embrapa – Diretora-Executiva de Inovação e Tecnologia da Embrapa integra o conselho diretor da Abipti

Embrapa – Prosa Rural – Apicultura: tratos culturais e aproveitamento total das floradas

Embrapa – Prosa Rural – Popularização da tecnologia de dupla poda da videira

Embrapa – Prosa Rural – Macaúba: sistema produtivo para produção de óleo e energia no Semiárido

Embrapa – O dia em que a temperatura parou

Embrapa – Jornada Científica da Embrapa Mandioca e Fruticultura discute Ciência em tempos de crise

Embrapa – Pesquisa mapeia produção e consumo de alimentos orgânicos e agroecológicos em Mato Grosso

Agrolink – Série “Agrotecnologia no dia a dia” destaca usos do azeite na culinária

Agrolink – FMC fala sobre o futuro das inovações para o agronegócio

Agrolink – Você sabe o que é o nitrato de amônio?

Agrolink – Onde se produz milho e soja no Paraná?

Agrolink – Como o planejamento fitossanitário é importante para lavoura

Agrolink – FAESC debate mercado externo do agro em Webinar

Agrolink – Desafio Microbioma Brasil 2019/20: Microgeo seleciona semifinalista da região Sul-Sudeste

Agrolink – Indicador do milho acumula alta de 17% em agosto

Agrolink – Produtor negocia soja que será colhida em 2022

Agrolink – Semana finaliza com baixa especulação em Chicago

Agrolink – Preços da lima tahiti seguem elevados

Agrolink – Açúcar fecha a semana em baixa nas bolsas internacionais; chuva traz alento para produtores

Agrolink – Chuva interrompe trabalho no campo dos mandiocultores

Agrolink – Etanol hidratado volta a subir após 2 semanas em baixa; anidro sobe pela 7ª semana seguida

Agrolink – Cientistas coletam dados sobre recursos genéticos vegetais do Brasil

Agrolink – Cadeia produtiva do arroz enfrenta crise com ótimos resultados

Agrolink – Jornada Científica da Embrapa Mandioca e Fruticultura discute Ciência em tempos de crise

Agrolink – Genéricos chegarão a 75% do mercado brasileiro esse ano

Agrolink – Lançado bionematicida com tecnologia inédita

Jornal do Comercio – Aviação agrícola brasileira cresce entre gafanhotos, drones e combate a incêndios

Portal do Agronegócio – Aviação agrícola: SINDAG cria rede nacional para ampliar adoção da tecnologia e de boas práticas

______________________

O Boletim NK, produzido pela NK Consultores Relações Governamentais, é uma compilação das principais notícias publicadas em meios de comunicação do país sobre temas ligados ao setor.

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »