Após lucro de 50% na pandemia, planos de saúde coletivos sobem 16%

Home/Informativo/Após lucro de 50% na pandemia, planos de saúde coletivos sobem 16%

Usuários de planos de saúde coletivos por adesão começaram a receber seus boletos com reajuste anual em torno de 16%, informou a Folha de S.Paulo neste domingo (27). Muitos são clientes da Qualicorp, uma das principais administradoras de benefícios no país e que tem como parceiras 102 operadoras de saúde, e já buscam escritórios de advocacia e associações de defesa do consumidor para questionar o aumento na Justiça. Além de ser o dobro da inflação do período (o acumulado em 12 meses é de 8,06%, segundo o IBGE), a cobrança deste ano ocorre em um momento em que se espera um reajuste dos planos individuais próximo a zero, ou até negativo, devido à queda nos custos do setor em 2020, provocada pela redução de cirurgias, consultas, exames e outros procedimentos eletivos durante a pandemia. O índice de aumento dos planos individuais, que representam cerca de 20% do total de usuários de planos de saúde, é calculado pela ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar). O valor deste ano ainda não foi divulgado. Já os planos coletivos (empresariais e por adesão), que somam 80% dos usuários, não são regulados pela agência. A negociação é direta entre operadoras, empresas e entidades de classe. O reajuste leva em conta critérios contratuais, além do índice de sinistralidade e de variação do custo médico hospitalar. O reajuste cobrado pela Qualicorp para a Associação dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo, por exemplo, é de 15,9%. Outras entidades de classe tiveram aumentos semelhantes e seus usuários já buscam advogados para questioná-los judicialmente. Em nota, a Qualicorp diz que o reajuste anual é definido pela operadora de planos de saúde. “Na função de administradora de benefícios, a empresa busca negociar a aplicação do menor índice de reajuste possível”, diz. E acrescenta. “Além disso, oferece diversas alternativas de planos de saúde em mais de cem operadoras para que seus clientes possam manter o acesso à assistência médica privada de qualidade.” Todos os anos, o aumento dos planos coletivos gera embate por ser bem acima dos planos individuais. Em 2020, por exemplo, foi de 11,28%, mais de três pontos percentuais acima do aplicado aos individuais pela ANS, segundo pesquisa do Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor). Neste ano, os debates estão ainda mais inflamados porque o setor goza de uma boa saúde financeira, com a queda de consultas, cirurgias e outros procedimentos eletivos, durante a pandemia. O lucro líquido dos planos de saúde cresceu 49,5% em 2020, com uma receita de R$ 217 bilhões, segundo dados da ANS. O mercado encerrou o ano com 47,6 milhões de usuários, com uma alta de 650 mil novos beneficiários. A ANS diz que monitora os reajustes que são efetuados e atualmente trabalha para divulgar essas informações de modo mais eficiente e detalhado. Diante dos aumentos, uma opção dos usuários tem sido a migração para convênios mais baratos. Nos primeiros quatro meses deste ano, houve um aumento de 50% de consultas na ANS sobre a portabilidade de carência.

Porta de entrada do SUS, atenção primária tem queda de 49% de consultas

Há um ano a dona de casa Ana Rosa Moura, 38, tenta agendar uma consulta de rotina com um ginecologista e um clínico-geral na UBS Ladeira Rosa, na zona norte de São Paulo. Também não teve sucesso em agendar com o clínico-geral. A doméstica Luzineide França Andrade, 47, vive o mesmo drama, mas triplicado. Em fevereiro de 2020, ela se consultou com um clínico-geral, e as duas filhas, com o pediatra. Fizeram exames laboratoriais e desde então não conseguem nem marcar o retorno para saber os resultados dos testes. Os dois casos exemplificam o cenário de desassistência vivido na atenção primária, porta de entrada no SUS. Segundo a Folha de S.Paulo a área já vinha sofrendo reduções importantes e, com pandemia, sofreu grande impacto. O número de consultas caiu quase pela metade (49%) em 2020. A redução chega a 69% em abril e maio do ano passado, no início da pandemia, segundo dados do Datasus, do Ministério da Saúde. A comparação leva em conta a média de procedimentos realizados de 2017 a 2019. “Essa queda de 50% na atenção primária é muito impactante. A pandemia vem agravando as fragilidades do SUS”, diz o médico Adriano Massuda, professor da FGV. Segundo ele, a atenção primária já vinha num processo de enfraquecimento. “A cobertura vacinal já vinha decrescendo desde 2015. Depois do fim do Mais Médicos, o número de consultas teve uma queda muito importante. A cobertura pré-natal, os exames citopatológicos, tudo já vinha caindo pré pandemia.” As políticas de austeridade fiscal adotadas desde o governo de Michel Temer (MDB), como a Emenda Constitucional 95, que instituiu o teto de gastos, e a mudança do modelo de financiamento pelo Ministério da Saúde estão entre as causas desse enfraquecimento, segundo Massuda. “A resposta brasileira à pandemia foi muito diferenciada na atenção primária. Tivemos municípios fazendo diagnóstico precoce, rastreamento de contatos, mas foram exceções. Muitos fecharam serviços. Não houve orientação técnica do Ministério da Saúde.” Com isso, houve redução de procedimentos preventivos e necessidades não atendidas. “Isso tudo está virando uma bola de neve. Muitos problemas que poderiam ser prevenidos e tratados na atenção primária vão se agravar, aumentando a pressão sobre os outros níveis do sistema”, reforça. Massuda diz que o país ainda não tem um plano de retomada na saúde pública e que o foco de muitos gestores municipais e estaduais da saúde ainda está no manejo da pandemia.

Síndrome da fragilidade ataca 9 em 10 pacientes graves de covid após internação na UTI

Um estudo preliminar com pacientes graves do coronavírus apontou que 91% dos idosos e 88% dos adultos que foram internados na UTI pela doença apresentam síndrome de fragilidade mesmo um mês após receberem alta, destacou o jornal O Estado de S.Paulo nesta segunda-feira (28). Além de sintomas como perda de peso, exaustão e diminuição da força muscular, a pesquisa indica também que muitas dessas sequelas podem evoluir para quadros de ansiedade, depressão ou limitações motoras e cognitivas. Conduzido pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, o estudo já entrevistou 150 pacientes que foram internados na UTI pelo coronavírus. Pós-doutor em Neurologia e Neurociências, José Eduardo Pompeu, coordenador do projeto e professor de fisioterapia no HCFMUSP, explica que ainda é cedo para afirmar se essas sequelas são efeitos neurológicos causados pelo próprio vírus da Sars-CoV-2 ou se estão associados à experiência de entrar e sobreviver ao tratamento intensivo em meio à pandemia. “É uma somatória de tudo isso. Fica difícil separar o que é afetado diretamente pela covid, até mesmo pelas consequências e efeitos secundários de uma internação prolongada em UTI”, afirma, citando que a “síndrome pós-UTI” também acomete pacientes de outras doenças, mas é intensificada pelo longo período em intubação ou ventilação mecânica em vítimas do coronavírus. A síndrome de fragilidade, explica Pompeu, é mais comum entre idosos, mas também tem impactado o quadro de recuperação para pacientes adultos da covid. Ela se manifesta por meio da perda de peso não intencional, exaustão, redução da velocidade ao caminhar, diminuição da força muscular e também da atividade física. Os dados preliminares do HCFMUSP apontaram que, além da fragilidade, cerca de 30% dos pacientes entrevistados também apresentaram sintomas prováveis de ansiedade e depressão, a maioria pelo medo de ficarem doentes de novo. Ao mesmo tempo, atividades rotineiras também são afetadas por sequelas como incontinência urinária, dificuldade em ir ao banheiro, trocar de roupa, subir escada, tomar banho ou até se mover da cama para uma cadeira.

Pandemia acelera revolução digital no setor de Saúde

Conforme publicou o Valor Econômico nesta segunda-feira (28) o mercado de saúde brasileiro vem passando por diversas transformações, impulsionadas pela pandemia de covid-19. Pressionadas pela necessidade de reduzir custos, melhorar cuidados e a ouvir um usuário cada vez mais protagonista diante de um mercado inovador e competitivo, empresas passaram a ampliar suas áreas de atuação e ganhar eficiência por meio de fusões e aquisições. A inteligência artificial e a telemedicina se tornaram aliadas fundamentais do negócio e ferramentas essenciais para enfrentar os novos concorrentes digitais, ao lado de integrações e parcerias entre diversos elos da cadeia. Essa transformação também resultou em investimentos em pesquisa e tecnologia por parte da indústria farmacêutica e de startups, maior foco em atenção básica e com os profissionais desenvolvendo novas competências. “A dinâmica competitiva se intensificou em vários elos da cadeia”, destaca Luiza Mattos, sócia da Bain & Company. Ela cita como exemplos a entrada de players mais apoiados em tecnologia, como Alice e Qsaúde, no segmento de planos, e a Amparo, nas clínicas primárias. Ao mesmo tempo, diz, há maior velocidade em movimentos de consolidação, nos quais os players ganham escala nos próprios elos em que atuam ou se expandem ao longo da cadeia. “Como a Rede D’Or, a fusão da Hapvida e do Grupo NotreDame Intermédica (GNDI) e a integração entre as empresas do grupo Dasa”, observa ela. Além dos já conhecidos movimentos de operadoras adquirindo outras similares ou hospitais para aumentar sua verticalização e de hospitais comprando novas unidades, o segmento de medicina diagnóstica mostrou maior apetite por consolidação, entrando em outros nichos da saúde. “A ideia principal é ganhar relevância para que o setor não fique muito díspar diante da pressão gerada pelas operadoras”, ressalta Leandro Figueira, vice-presidente do conselho de administração da Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed). Estudo da Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp) e da Bain & Company, lançado em abril, lista algumas das mudanças que vêm ocorrendo no setor da saúde, tanto para dar conta da pandemia quanto para o pós-pandemia. Como o novo perfil de consumo das pessoas, que ganharam mais voz e responsabilidade de escolha sobre como, quando e onde receber atendimento; uma assistência mais humana e centrada no paciente com um cuidado integrado; a consolidação da telemedicina; e a ampliação do uso de dados e da automação. O levantamento também ressalta que os profissionais de saúde deverão ser capazes de lidar com um ambiente cada vez mais complexo, integrado e tecnológico, interagindo com novas plataformas. E não só com a telessaúde, mas também com ferramentas digitais que economizam tempo e aumentam a qualidade da gestão de prontuários médicos eletrônicos, cada vez mais dominados por inteligência artificial.

SAÚDE NA IMPRENSA

Agência Senado – Senadores pedem a Paulo Guedes atenção às sequelas da pandemia
Agência Senado – Fatos colocam Bolsonaro no centro das investigações da CPI, diz Randolfe 
Agência Senado – Governadores não são obrigados a depor na CPI, decide STF 
Agência Senado – Em resposta a Flávio Bolsonaro, Randolfe afirma que buscar vacinas é dever dos senadores
Agência Senado – Senadores criticam dificuldade de acesso a documentos do Ministério da Saúde  
Agência Senado – Deputado e servidor reafirmam denúncias contra governo na compra da Covaxin 
Agência Senado – Miranda aponta Ricardo Barros como mentor de pressões no Ministério da Saúde 
Agência Senado – À CPI, irmãos Miranda reafirmam pressão e irregularidades na compra da Covaxin 
Agência Senado – CPI pode comunicar ao STF crime de prevaricação por parte de Bolsonaro 
Agência Câmara – Comissão debate funcionamento da saúde suplementar 
Agência Câmara – Comissão debate maus tratos de idosos em instituições clandestinas 
Agência Câmara – Comissão discute tributação seletiva para financiar saúde 
Agência Câmara – Comissões debatem protocolos das companhias aéreas em voos comerciais durante a pandemia 
Agência Câmara – Comissão discute proteção das pessoas com albinismo 
Anvisa – Informações sobre o processo de uso emergencial da vacina Convidecia, da CanSino 
Anvisa – Anvisa divulga informações de reuniões sobre vacinas 
Anvisa – Covid-19: Anvisa discute conteúdo técnico para serviços de saúde 
Anvisa – Covid-19: orientações sobre análise de petições de pesquisa clínica 
Anvisa – Nova data: webinar sobre o papel da Corregedoria da Anvisa 
Anvisa – Nota: esclarecimento sobre reuniões da Anvisa com laboratórios 
Anvisa – Anvisa altera códigos de petições de medicamentos sintéticos 
Agência Saúde – Brasil ultrapassa marca de 70 milhões de brasileiros com a primeira dose da vacina Covid-19 
Agência Saúde – Saúde recebe nova remessa de 936 mil doses de vacinas Covid-19 da Pfizer 
Agência Saúde – Butantan recebe IFA para a produção de mais 10 milhões de doses de vacinas Covid-19 
Agência Saúde – Ministério da Saúde estima economia de até R$ 150 bilhões aos cofres públicos com vacinação 
Agência Saúde – Ministério da Saúde recebe mais 942 mil doses da vacina da Janssen 
Agência Saúde – Ministério da Saúde recebe mais de 10 milhões de doses de vacina Covid-19 nesta semana
Agência Saúde – Saúde recebe mais 4,1 milhões de doses de vacinas Covid-19 da Fiocruz 
Agência Saúde – Na Paraíba, Ministério da Saúde acompanha vacinação em ritmo de São João 
Agência Saúde – Saiba tudo sobre a importância da vacinação da gripe 
Agência Saúde – Saúde reconhece iniciativa de 225 municípios no fortalecimento da atenção primária na pandemia 
Agência Saúde – Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos completa 15 anos 
MDH – Promoção da acessibilidade nos serviços públicos é destaque do Dia Internacional da Pessoa Surdocega 
CONASEMS – CIT discute reforços orçamentários e situação dos leitos de UTI para Covid-19 
Agência Brasil – Covid-19: indígenas venezuelanos recebem vacina em Boa Vista 
Agência Brasil – Covid-19: país tem 18,4 milhões de casos acumulados e 513,4 mil mortes
Agência Brasil – Ministério confirma primeira morte da variante delta no Brasil 
Agência Brasil – Fisioterapia não oferece riscos para pacientes com câncer de mama 
Agência Brasil – Brasil recebe da Irlanda doação de anestésico para intubação 
Agência Brasil – Número de brasileiros com primeira dose de vacina supera 70 milhões 
Agência Brasil – Ioga: um caminho para o equilíbrio é tema do Caminhos da Reportagem 
Agência Brasil – Queiroga convoca brasileiros a tomar segunda dose da vacina 
Agência Brasil – Saúde prevê economizar até R$ 150 bilhões com avanço da vacinação 
Folha de S.Paulo – Universidade de Oxford não encontrou fortes indícios da eficácia da ivermectina contra a Covid 
Folha de S.Paulo – EUA desenvolvem máscara que detecta Covid-19 em 90 minutos
Folha de S.Paulo – Capital paulista precisa vacinar 50 mil por dia para bater meta
Folha de S.Paulo – Deputado fala em esquema ‘muito maior’, levanta suspeita sobre compra de testes de Covid e cita indicado de Barros  
Folha de S.Paulo – Não tenho como saber o que acontece nos ministérios, diz Bolsonaro sobre caso Covaxin  
Folha de S.Paulo – Senadores da CPI querem sessão secreta para apurar suspeitas em compra de testes pela gestão Bolsonaro  
Folha de S.Paulo – Após lucro de 50% na pandemia, planos de saúde coletivos sobem 16%  
Folha de S.Paulo – Barros diz que ‘não há dados concretos’ em acusações na CPI, e Planalto deve manter deputado como líder
Folha de S.Paulo – Grávida de 42 anos é a 1ª morte confirmada pela variante delta da Covid-19 no Brasil  
Folha de S.Paulo – Ministério da Saúde corta acesso de servidor que expôs caso Covaxin, diz deputado que citou Bolsonaro em CPI 
Folha de S.Paulo – Porta de entrada do SUS, atenção primária tem queda de 49% de consultas 
Folha de S.Paulo – O projeto que autoriza o cultivo de maconha para fins medicinais deve ser aprovado no Congresso? NÃO 
Folha de S.Paulo – O projeto que autoriza o cultivo de maconha para fins medicinais deve ser aprovado no Congresso? SIM  
O Estado de S.Paulo – Caso Covaxin: ‘Não tenho como saber o acontece nos 22 ministérios’, diz Bolsonaro 
O Estado de S.Paulo – Vice-presidente da CPI da Covid apresenta pedido para prorrogar trabalhos da comissão 
O Estado de S.Paulo – Julgamento no STF de ação para obrigar Bolsonaro a usar máscara deve ficar para o próximo semestre 
O Estado de S.Paulo – Fleury está gradualmente normalizando operações após ataque cibernético 
O Estado de S.Paulo – “Pessoas com a Doença de Pompe sofrem uma grave e criminosa exclusão” 
O Estado de S.Paulo – Familiares de vítimas da covid-19 representam contra Bolsonaro na PGR por gestão da pandemia 
O Estado de S.Paulo – Vacinação: hora de pensar nos adolescentes 
O Estado de S.Paulo – Ex-mulher de Pazuello pede para ser ouvida na CPI 
O Estado de S.Paulo – Luis Miranda diz que Ministério da Saúde bloqueou acesso do irmão ao sistema 
O Estado de S.Paulo – Cuide bem do seu intestino para manter a boa imunidade 
O Estado de S.Paulo – CPI vai investigar compra de vacinas russa e chinesa 
O Estado de S.Paulo – Síndrome da fragilidade ataca 9 em 10 pacientes graves de covid após internação na UTI 
O Estado de S.Paulo – Produtos temáticos dão novo estímulo aos ETFs 
O Globo – Com cem dias no Ministério da Saúde, Marcelo Queiroga ainda é visto com desconfiança 
O Globo – Alvo de ex-mulher de Pazuello na CPI da Covid tem cargo no Ministério da Saúde  
O Globo – Exército alega que processo de Pazuello ‘não tem interesse público’ e pede ao STF para manter sigilo de 100 anos  
G1 – Criadora da vacina de Oxford é ovacionada na abertura do torneio de Wimbledon; veja vídeo
G1 – Vacina AstraZeneca: estudo diz que 3ª dose ou maior intervalo entre 1ª e 2ª ampliam imunidade 
G1 – Oxford e AstraZeneca testam nova vacina contra a variante Beta da Covid-19
G1 – Combinação de obesidade abdominal e perda de força muscular aumenta risco de queda 
G1 – Lote com 6 mil litros de insumos para a CoronaVac chega a SP neste sábado; Butantan retomará produção da vacina 
Correio Braziliense – Cidade de SP reserva 14 mil doses para população em situação de rua 
Correio Braziliense – As fascinantes revelações do estudo das bactérias que povos isolados carregam no corpo 
Correio Braziliense – Como saber se um estudo científico para tratar doença é confiável ou não 
Correio Braziliense – Vacina contra cólera feita com arroz apresenta bons resultados 
Correio Braziliense – Plano de saúde figura entre prioridades nas contas dos brasileiros 
Valor Econômico – Pandemia acelera revolução digital no setor de Saúde 
Valor Econômico – União é condenada a custear remédio de R$ 12 milhões 
Valor Econômico – Corrupção no Ministério da Saúde pode ser “muito maior”, diz Luis Miranda a jornal 
Valor Econômico – Qualicorp fecha parceria com Banco Inter para venda de planos de saúde por adesão 
Valor Econômico – Fiocruz: Covid-19 se espalhou pelo Brasil por rodovias federais e estaduais 
Valor Econômico – Com Bolsonaro encurralado, Senado se fortalece para rejeitar Mendonça 
Valor Econômico – Estudo sugere maior risco de reinfecção pela variante delta, aponta Fiocruz 
Alego – Karlos Cabral apresenta proposta em que planos de saúde sejam obrigados a autorizarem cirurgia de mamoplastia  

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »