Anvisa estuda fazer vacina em laboratórios veterinários

Home/Informativo/Anvisa estuda fazer vacina em laboratórios veterinários

 

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) está se reunindo com pelo menos quatro laboratórios de medicamentos veterinários para tentar viabilizar a adaptação de algumas fábricas para a produção de vacinas contra covid-19. Se tudo der certo, as unidades poderão ajudar a ampliar o volume produzido no país em quatro a seis meses, destacou o Valor Econômico nesta sexta-feira (16). As conversas se intensificaram após a apresentação de um projeto de lei pelo senador Wellington Fagundes (PP-MT). O texto sugere que os estabelecimentos que fabricam medicamentos para animais sejam temporariamente autorizados a produzir a vacina, desde que cumpram normas sanitárias e exigências de biossegurança. “Todas as fases relacionadas à produção, ao envasamento, à etiquetagem, à embalagem e ao armazenamento de vacinas para uso humano deverão ser realizadas em dependências fisicamente separadas daquelas que, numa mesma estrutura industrial, porventura ainda estejam sendo utilizadas para a fabricação de produtos destinados a uso veterinário”, diz o projeto. Essa exigência de desagregação das unidades preocupa a Anvisa, mas não no quesito sanitário. Técnicos da agência avaliam que a operação pode ficar cara e afastar eventuais interessados. “A depender da exigência, pode ser quase a mesma coisa do que construir uma fábrica nova”, alertou uma fonte que acompanha as negociações. “Simples não é, mas é perfeitamente possível. Vai depender da disposição das empresas”. O primeiro passo dos encontros individuais será justamente entender o tamanho do ânimo delas em participar. Estão previstas para hoje reuniões com as fabricantes Ourofino, Ceva, Merck e Boehringuer. O presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres, discutiu o assunto em audiência, ontem com a ministra da Agricultura, Teresa Cristina. A agência também tratou do assunto recentemente em reuniões com o Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para a Saúde Animal (Sindan). A diretora Meiruze Freitas, responsável pela área de medicamentos e vacinas, participou de uma audiência no Senado em que se tratou do projeto de lei de Fagundes. Relator da comissão temporária do Senado que acompanha as ações de enfrentamento à pandemia, Fagundes acredita que as plantas industriais de imunizante animal poderão produzir em um prazo de 90 dias. Já a Anvisa trabalha com prazo de 120 a 180 dias.

Lei torna obrigatória a prestação de socorro a animais atropelados em Suzano (SP)

Nesta quinta-feira (15) foi publicado no Diário Oficial Eletrônico de Suzano, uma lei (5.280/2021) que torna obrigatória a prestação de socorro aos animais atropelados na cidade. Segundo o G1 o texto é de autoria do vereador Marcel Pereira da Silva (PTB), o Marcel da ONG. De acordo com a legislação, todo motorista, motociclista e ciclista que atropelar qualquer animal nas vias públicas, dentro dos limites do município, será obrigado a prestar socorro ou estará sujeito à multa. A fiscalização e a aplicação das punições serão de responsabilidade de órgãos municipais. No entanto, a Prefeitura está autorizada a promover convênios com órgãos estaduais e federais para garantir o cumprimento da lei. A administração municipal terá o prazo de 90 dias para regulamentar a lei, definindo o valor de referência da multa; o órgão responsável pela fiscalização e aplicação das sanções; e as formas e prazos para recurso administrativo. O texto deve entrar em vigor a partir da publicação. Mais detalhes podem ser consultados no Diário Oficial do município.

Parasitas desafiam suinocultura

Ácaros, vermes, moscas, pulgas, carrapatos, piolhos. Os parasitas externos e internos estão entre os principais inimigos da suinocultura, informou o portal AgroLink nesta sexta-feira (16). “Eles são implacáveis desde o nascimento dos leitões até os animais em terminação, incluindo as fêmeas em idade reprodutiva. Estudos da Embrapa Suínos e Aves indicam que os parasitas podem representar até 40% de perdas em ganho de peso, comprometendo o resultado econômico da atividade”, ressalta o médico veterinário Thales Vechiato, gerente de produtos da Syntec do Brasil. “A prevenção das enfermidades causadas por parasitas externos começa pelo eficiente controle ambiental. No caso dos parasitas internos, é necessário ter em mãos potentes vermífugos. O problema é sério e precisa ser combatido”, ressalta Thales Vechiato, citando as parasitoses gastrointestinais e pulmonares como os mais importantes desafios internos e a sarna e as miíases como parasitores externas. “Importante destacar que os parasitas podem atacar diversos órgãos dos suínos, prejudicando-os em diferentes funções e também em termos de desempenho zootécnico. A maioria dos parasitas internos encontra-se no trato gastrointestinal. Além de competir pela absorção de nutrientes, prejudicam as paredes intestinais predispondo a doenças bacterianas oportunistas. Já os parasitas externos provocam ‘irritação’ no suínos, que deixam de se alimentar ou ingerir água, além de também causar lesões cutâneas”, explica o médico veterinário. Thales Vechiato recomenda o tratamento dos parasitas com endectocidas à base de ivermectina. Essa categoria de produtos combate parasitas internos e auxilia no controle dos externos, simultaneamente. A Syntec do Brasil oferece Synmectin, antiparasitário injetável de amplo espectro de ação, indicado para o controle e tratamento dos principais parasitas externos e internos que afetam não apenas suínos, mas também bovinos e ovinos, como os vermes gastrointestinais, vermes pulmonares, vermes redondos, ácaros e carrapatos. “Os parasitas representam um problema de complexidade para solução, mas há medicamentos eficazes à disposição dos produtores de animais que devem ser associados a programas sanitários estratégicos para combatê-los com eficácia”, assinala Thales Vechiato.

Cuba suspende medida que proibia matança de bois sem permissão do Estado

O governo cubano colocou fim à medida que proibia a matança de bois e a venda de carne e laticínios no país. Adotada em 1963, a regra impedia que a população matasse esses animais e vendesse carne e derivados de origem animal sem permissão do Estado por conta de um furacão que matou 20% do rebanho que vivia na ilha. Com o fim da proibição, os produtores rurais poderão tomar as decisões que considerarem necessárias acerca dos bois e vacas após cumprir as cotas estabelecidas pelo governo, com a garantia de que os rebanhos não serão reduzidos, conforme informado pelo jornal Granma do Partido Comunista. De acordo com o portal Anda a nova decisão foi tomada em meio à luta do poder público contra a escassez de alimentos. Antes das novas sanções dos Estados Unidos, que promovem embargos comerciais contra a ilha há décadas, 60% dos alimentos consumidos em Cuba eram importados. Com a chegada da pandemia de coronavírus, o turismo foi fortemente impactado, o que piorou a condição do governo cubano, deixando-o sem recursos para a compra de insumos agrícolas, desde combustível e ração até agrotóxicos usados nas plantações – que, lamentavelmente, prejudicam o solo e a saúde humana, e são nocivos aos animais. A falta de dinheiro também fez com que o poder público não tivesse fundos para adquirir comida para a população. Com uma redução de 11% no crescimento econômico da ilha em 2020 e uma queda de 40% nas importações, segundo dados governamentais, o governo recorreu à liberação da matança de bois e vacas para aumentar a fabricação de produtos de origem animal. A proibição que resistiu por décadas, entretanto, não livrou os animais da exploração e do sofrimento, tampouco da morte precoce. Isso porque, além de continuarem a ser mortos, embora em menor quantidade e com a pecuária estagnada, nesse período as importações de leite em pó aumentaram, produto que condena vacas a vidas miseráveis.

NA IMPRENSA

Agência Câmara – Comissão discute inclusão de leite in natura e carne de porco na merenda escolar

O Globo – Jornalista se associa a ONG em projeto para ajudar animais

Correio Braziliense – Cientistas criam embrião com células humanas e de macaco

G1 – Exportação de ovos tem alta de 142,5% no início de 2021

G1 – Barra do Piraí promove campanha online de adoção de animais

G1 – Lei torna obrigatória a prestação de socorro a animais atropelados em Suzano

G1 – Com atraso no repasse de verba, Mata Ciliar deixa de receber animais silvestres de Jundiaí

G1 – Leão-marinho resgatado morre em Florianópolis; animal tinha projétil alojado na cabeça

G1 – Superintendência de Bem-Estar Animal é transferida para o Centro de Controle de Zoonoses e Endemias em Uberaba

G1 – Com aulas práticas à distância, professora inova em projeto e alunos ganham ‘kit de anatomia animal’ para estudos

G1 – Chefe da PF no Amazonas pode ser substituído após pedir investigação sobre Salles

Valor Econômico – Anvisa estuda fazer vacina em laboratórios veterinários

Valor Econômico – Produção de carne suína da China cresceu 31,9% no primeiro trimestre

Valor Econômico – BRF já importa milho da Argentina e do Paraguai, diz agência

Valor Econômico – Relação de troca de boi gordo por bezerro é a pior da série histórica, diz Cepea

Valor Econômico – Avaliada em R$ 86,6 bi, JBS renova máxima histórica na B3

Valor Econômico – Bacon vegetal do Homem de Ferro

Embrapa – Embrapa Cerrados é tema de série de reportagens do programa Giro do Boi

CNA – Instituto CNA participa de debate sobre furto de gado

SBA – Genética BR realiza ação de vendas hoje (16)

SBA – “Cadeia de carne bovina está estrangulada”, diz Lygia Pimentel

SBA – Avicultor tem pior poder de compra frente ao milho da última década

SBA – Cotação do boi gordo registra mais um dia estável em R$ 317 por arroba

AgroLink – MSD Saúde Animal lança inovação em vacinas para o mercado de avicultura

AgroLink – Instituto CNA participa de debate sobre furto de gado

AgroLink – Sinais de melhora na oferta de boiadas para abate em São Paulo

AgroLink – Preço do boi está 60% maior em Mato Grosso

AgroLink – Custo de produção de leite registra alta de 1,87%

AgroLink – Argentina restringe exportações de carne

AgroLink – Parasitas desafiam suinocultura

Anda – Cão abandonado seis vezes é resgatado e morre após ser hospedado em hotel

Anda – Cão tetraplégico ilhado em meio à tempestade abana o rabo após ser resgatado

Anda – Estados norte-americanos não têm leis contra a zoofilia

Anda – Prefeitura do RJ terá obrigação de registrar animais sem tutor conhecido

Anda – Loba-guará resgatada é apadrinhada por Bruno Gagliasso

Anda – Professora cuida de 70 animais maltratados em Feira de Santana (BA)

Anda – As fazendas experimentais das universidades brasileiras e os animais

Anda – Bois explorados para consumo morrem afogados após balsa naufragar no Pará

Anda – Ursos que estão há 18 anos em zoo irão viver em meio a montanhas em santuário

Anda – Cuba suspende medida que proibia matança de bois sem permissão do Estado

Anda – Caminhão superlotado com dezenas de frangos tomba e parte dos animais morre

Anda – Centro de reabilitação de animais pode suspender atividades por falta de recursos

Portal do Agronegócio – Exportações de ovos mantém alta de 142,5% no 1°Tri

Portal do Agronegócio – Sinais de melhora na oferta de boiadas para abate em São Paulo

Portal do Agronegócio – Produção de carne suína na China no 1º tri salta 32% para o maior número em dois anos

Portal do Agronegócio – Custo do frango caiu em março, mas ainda está 52% acima do registrado um ano atrás

Portal do Agronegócio – Suinocultura independente: preços pagos ao produtor sobem, mas pressão com os custos de produção continuam

Revista Globo Rural – Disparada no preço do milho faz produtor de aves ter pior poder de compra em 10 anos

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »